Quando tive a oportunidade de embarcar para meu primeiro intercâmbio (2004) tinha acabado de completar 18 anos. Fui para Boston aproveitar uma grande oportunidade de estudar um idioma. Porém, nem me passava pela cabeça que aprender o inglês era apenas uma consequência da experiência única que estava para acontecer.

A vida é assim, não nos prepara para o que realmente vamos passar, e a gente realmente percebe isso quando temos que olhar para dentro de nós mesmos. Simplesmente me joguei, sem saber o que realmente estava fazendo e quando percebi não estava preparada, isso mesmo NÃO ESTAVA PREPARADA para conviver comigo naquele momento.

Tive medos, receios, inseguranças e não sabia o que ia encontrar… e quer saber? Não sei até hoje…

Voltei para o Brasil após permanecer 2 meses em Boston, comecei uma Universidade, me formei, trabalhei, fiz diversas viagens internacionais e depois de 8 anos percebi que era a hora de enfrentar novamente os mesmos anseios. Embarquei em uma viagem interna e após muitos obstáculos e incertezas o destino me levou para a Austrália.

Não achei que seria fácil deixar tudo para trás… Meus amigos, minha família, minha segurança emocional de querer sempre ficar em uma zona de conforto que criei em minha mente… mas foi o melhor investimento que poderia ter feito. Isso nos transforma como pessoa, nos mostra que as barreiras criadas pelo mundo quem instala dentro da gente somos nós. Essas barreiras  são sempre os obstáculos que nos impedem de continuar em frente, correr atrás de nossos sonhos, vencer ou crescer. Se você não acredita em você mesmo, quem poderá acreditar? Eu tive dificuldades, aprendi a rir de mim mesma, percebi que todo mundo erra e que isso tem que nos mostrar que não há problema em levantar e tentar novamente. Os maiores gênios se levantaram diversas vezes, e só tiveram o seu nome marcado na história mundial por consequência da fé que eles tinham neles.

Faria tudo de novo, e acredite, essa experiência vicia! Conhecer novas culturas, novos lugares e conhecer a si próprio é algo que só poderá lhe trazer benefícios inacreditáveis.

A gente acha que conhece uma pessoa até o dia em que viaja com ela. Eu somente descobri isso quando viajei sozinha. Percebi que eu tinha medo de viver, de aprender, tinha medo do desconhecido.

Poderia escrever páginas sobre meu intercâmbio, mas sabe, prefiro que a sua experiência fique por sua conta. 😉

Por Thais Melo

A Thais é consultora na Global Study Panamby e está te esperando para lhe ajudar a escolher o melhor destino! 😉 Para falar com ela acesse aqui.

Comentários